Conheça a história do Coronel Alfeu de Alcântara, a primeira vítima da Ditadura Militar.

Essa é pra quem diz que a Ditadura só matou “vagabundo” e “comunista”.

Alfeu Monteiro, desde 1961, era tenente-coronel e compunha o efetivo do Quartel General da 5ª Zona Aérea, da FAB, situado em Canoas, estado do Rio Grande do Sul.

O militar participou ativamente da campanha da Legalidade, encabeçada por Leonel Brizola, que assegurou a posse do presidente eleito João Goulart, contestada, na ocasião, pelos ministros militares.

IMAGES&VISIONS -13 ANOS: A metralhadora de Leonel Brizola
Leonel Brizola manda mensagem a militares

Na época, Generais e políticos já estudavam dar um Golpe na democracia brasileira. Com a renúncia de Jânio Quadros, João Goulart, que era cunhado de Leonel Brizola, deveria ter tomado posse. Mas um conluio entre militares e forças civis tentou impedir a posse do Vice Presidente acusando-o de comunista. Então, Brizola, na época governador do Rio Grande do Sul armou resistência a essa tentativa.

Liderando oficiais e sargentos, Alfeu impediu que os aviões da base levantassem voo para bombardear a cidade de Porto Alegre, onde o Governador Brizola comandava a resistência. A ordem dada pelos Militares do Estado Maior era para bombardear o Sul do país, matando civis indefesos, como mulheres e crianças. Alfeu foi um dos organizadores do boicote e liderou soldados e outros oficiais para sabotarem aeronaves e sumirem com armas de grosso calibre para que ninguém pudesse atacar o próprio país.

1964: Coronel brizolista foi morto na sala do comando da Base Aérea de  Canoas | Geral
Alfeu de Alcântara ao lado de Jango

Alfeu achava loucura que um governo pudesse mandar matar as pessoas do próprio povo.

O ato foi considerado como desobediência ao Estado Maior das forças armadas. O nome de Alfeu ficou marcado entre os possíveis subversivos que seriam combatidos e teriam ligação com o comunismo. Apesar do oficial estar apenas impedindo um golpe à democracia.

Quando o golpe militar de 1964 foi desencadeado, os militares foram atrás de Alfeu e o executaram a tiros, como forma de vingança e castigo pela desobediência de anos passados.

No mesmo mês do assassinato, foi forjado um processo que absolveu o executor , impudando-lhe legítima defesa. O poder judiciário reconheceu anos depois que o inquérito, processo e julgamento foram fraudados, mas a lei da anistia garantiu a liberdade ao assassino de Alfeu.

O Coronel da Aéronautica se recusou a bombardear Porto Alegre, pois não achava certo matar pessoas da própria nação, apenas por que os militares não concordavam com a tomada de posse de Joao Goulart, que inclusive estava garantida em lei.

Alfeu morreu por respeitar as leis e se recusar a derramar sangue inocente.

Primeira vítima da Ditadura Militar foi um militar - Região - DC
Monumento a Alfeu de Alcântara em Canoas – Rio Grande do Sul

Acesse o link abaixo e se cadastre no Kindle, e tenha milhares de e-book na palma da sua mão
Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/32TUgiG

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/32TtM0z

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/32QsSBV

Referências:

https://cemdp.sdh.gov.br/modules/desaparecidos/acervo/ficha/cid/168?fbclid=IwAR11RzJ0IC0K_5A-0ftyvzvQmT1i-NR8Nnjixq7HPruH_e8f4AmH2IZJ0nY

http://memoriasdaditadura.org.br/memorial/alfeu-de-alcantara-monteiro/?fbclid=IwAR06dyqva3WvGEc2PxS9OoH-o4sonriRv4HmPzmV6eY_eES1ABs8AweNlR4

https://g1.globo.com/google/amp/rs/rio-grande-do-sul/noticia/morte-de-coronel-em-canoas-durante-a-ditadura-e-reconhecida-como-crime-politico-e-ideologico.ghtml?fbclid=IwAR0PJw9VQrDBrBFI5fW7veZcgjo5mSvFbsl8_-SGHZQ2khuaDYpIOqRORso

Please follow and like us: