Histeria Coletiva, Fanatismo, Morte: A assombrosa história da aparição do Demônio de Catulé

Conheça a tenebrosa história da aparição do Demônio de Catulé. Histeria coletiva, ocorrida em uma pequena cidade de Minas Gerais, que terminou em uma terrível tragédia:

A morte de 4 crianças.

O Demônio de Catulé: uma história de fanatismo religioso.

Em abril de 1955, uma tragédia aconteceu em Catulé, clareira localizada na Fazenda São João da Mata, no município de Malacacheta, Minas Gerais. Um grupo de trabalhadores recém-convertidos à Igreja Adventista da Promessa, sacrificou quatro crianças, as quais acreditavam estarem possuídas pelo demônio, matou alguns de seus cães e gatos e ainda teve dois de seus integrantes mortos pelos soldados que foram prender os “fanáticos”.

Imagem do filme Vereda da Salvação

Dez famílias, ao todo 44 pessoas, habitavam o Catulé, mantendo entre si vínculos de amizade, parentesco ou relações de compadrio e trabalhavam como meeiros, tendo que dividir a produção obtida com o proprietário das terras cultivadas.

Vivendo em condições extremamente difíceis, os moradores daquele local passam a enfrentar uma disputa de liderança entre Manoel, que vivia ali há três anos, era casado e fazia a mediação entre os trabalhadores e o dono da fazenda e Joaquim e Onofre, jovens solteiros que haviam se alfabetizado em Presidente Prudente e retornado à região após se converterem ao Adventismo da Promessa.

Os dois jovens tornaram-se líderes religiosos em Catulé e pregavam a vinda próxima de Cristo e a necessidade de se prepararem para esse momento. Impondo costumes rígidos e valendo-se do fato de que eram os únicos alfabetizados e, portanto, capazes de ler a bíblia, Joaquim e Onofre passam a conduzir os cultos e praticar ações para expulsar o demônio o qual diziam estar presente em Catulé.

No domingo de Páscoa de 1955, dois soldados foram até o local chamados para combater os fanáticos-religiosos. Chegando lá, encontraram Joaquim e Onofre comandando um grande número de homens, mulheres e crianças, todos nus, banhando-se em uma cacimba de lama para livrarem-se de seus pecados e alcançarem a Cidade Celeste de Canaã.

Os episódios de fanatismo religioso e violência que antecederam a esse fato tiveram início na terça-feira, quando Joaquim espancou Maria dos Anjos “para expulsar Satanás”. Algum tempo depois, um pedaço de rapadura apareceu misteriosamente no terreiro da casa dos fiéis da igreja Adventista da Promessa, fato que foi atribuído à presença de Satanás naquele local. Após sair da rapadura, disseram que ele havia entrado em Eva, a qual também foi espancada para se livrar da possessão. E assim, sucessivamente, segundo Joaquim, o demônio ia passando de pessoas para animais e todos eram agredidos para que se pudesse combatê-lo.

As jovens Conceição e Artuliana, alçadas ao posto de profetisas, apontavam quem estava “com o diabo no corpo” – crianças, adultos, animais e objetos – e os espancamento eram realizados para “afastar Satanás”, cuja presença indicava um estado de impureza e um obstáculo para alcançar Canaã.

Daquela terça-feira, 5 de abril de 1955, momento em que anunciaram a presença do demônio em Catulé, até o domingo de Páscoa em que chegaram os soldados, houve uma sucessão de acusações, agressões, assassinatos e manifestações de sacrifícios e purificações, todas visando combater o demônio e alcançar a Cidade Celeste de Canaã. O saldo dessa “histeria coletiva” foi a morte de cães e gatos, o sacrifício de quatro crianças, o espancamento de vários moradores do local, especialmente da família de Manoel, que não havia se convertido ao adventismo e, por fim, a execução de Joaquim e Onofre pelos soldados enviados para prenderem os fanáticos.

Antes de morrer, Joaquim afirmara que queria morrer com a palavra de Deus na boca, assim, um dos moradores arrancou duas páginas da bíblia e colocou uma na boca de Joaquim e outra na boca de Onofre, já morto. Joaquim pediu água, engoliu a página e, em seguida, morreu. Amplamente estudado por Carlo Castaldi, em seu ensaio “O demônio de Catulé”, esse episódio foi transformado no texto teatral “Vereda da Salvação”, escrito por Jorge de Andrade, em 1963, posteriormente, transformado em filme por Anselmo Duarte, em 1965, e revela como uma situação de miséria, isolamento e falta de acesso à educação formal, aliada ao fanatismo religioso, geram um ambiente propício para situações de extrema violência em nome da fé e da busca de um paraíso celeste.

Imagens da thumbnail foi tirada do filme Vereda da Salvação

Acesse o link abaixo e se cadastre no Kindle, e tenha milhares de e-book na palma da sua mão
Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/32TUgiG

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/32TtM0z

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/32QsSBV

Referências:

CASTALDI, Carlo. “A aparição do demônio no Catulé”. Tempo soc. vol.20 no.1 São Paulo 2008. 

https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-20702008000100016&script=sci_arttext&fbclid=IwAR2JW8PYvQrAJemCO1_mytXV_SpEh2Eq4DzDPRyJSyIUwhV3LPlsJ8tIunc

QUEIROZ, R. S. “A Caminho do Paraíso: o Surto Messiânico-milenarista do Catulé”. São Paulo, FFLCH-USP/CER, 1995 (Religião e Sociedade Brasileira, 6)

Please follow and like us: