De Colt à Smith Wesson: por que os Estados Unidos são fascinados por armas de fogo

Estados Unidos é o país que possui a maior quantidade de armas do mundo. Segundo levantamento da Small Arms Survey, há, dentro das residências, 90 armas por cada 100 habitantes. Isso significa que quase toda a população do país tem um revólver, uma pistola ou um fuzil em casa. A procura por esses itens é tão grande que o segundo colocado, o Iêmen, há menos de 60 armas, dentro de residências,a cada 100 habitantes. Do total de 857 milhões de armas existentes no mundo, 46% estão com os norte-americanos, cerce de 393 milhões de unidades. O país tem mais armas do que pessoas.

Resultado de imagem para small arms survey bbc iemen armas de fogo estados unidos


Mas o que faz os EUA ser o maior fabricante e consumidor de armas no mundo? O que faz com que em praticamente todos os filmes hollywoodianos haja uma referência às máquinas de matar?
A explicação está ligada intrinsecamente à história do país, sua libertação do sistema colonial inglês e a expansão de suas terras para o oeste.

Resultado de imagem para guns culture usa


No final do século XVIII, as colônias inglesas, que mais tarde seriam chamadas de Estados Unidos, já eram uma força econômica importante no mundo. Na América, as plantações de chá, algodão e fumo e a exploração da cultura do açúcar em pequenas localidades na América Central, fizeram com que o país escalasse um desenvolvimento econômico importante e passasse a possuir interesses em sua independência. Com o aperto e o aumento dos impostos cobrados pela Inglaterra, estoura uma revolução, conhecida como “Guerra de Independência dos Estados Unidos”.

Resultado de imagem para Tea party XVIII
Tea Party – o evento marcou a revolta de exportadores de mate contra os altos impostos cobrados pela metrópole


Durante o conflito, a Inglaterra, em crise por já ter passado por uma guerra anteriormente contra a França (Guerra dos 7 anos), não conseguia enviar grandes contingentes e tropas para o país americano. Então, o caminho para tentar abafar a rebelião era a violência e desmoralização in loco. Foram enviados para a colônia os Dragões, homens da elite do exército inglês que passaram a exercer violência contra os colonos como uma arma de guerra. As casas de pequenos fazendeiros eram incendiadas, Mulheres e filhas estupradas, os primogênitos mortos pelo fio da espada.

Resultado de imagem para independent war usa
Quadro da Guerra de Independência Norte-americana


A solução encontrada nos pequenos vilarejos foi a formação de milícias armadas, patrocinadas pelas colônias. Homens e mulheres pegavam em armas e realizavam emboscadas na tentativa de conter o avanço do exército inglês. Nesse período e devido às circunstâncias, os norte-americanos passaram a constituir uma relação intrínseca com as armas de fogo. Poucos anos após a Constituição dos Estados Unidos, já como país livre, ter sido construída, os legisladores modificaram-na com a famosa segunda emenda: “Sendo uma milícia bem regulamentada, necessária para a segurança de um estado livre, o direito do povo de manter e portar armas não deve ser violado”. O texto legitima a formação de milícias e o porte de arma de fogo. A lei foi baseada na antiga legislação inglesa, no direito à liberdade e impulsionada pela função das armas durante a guerra que se encerrara tendo os EUA como vencedores.

Resultado de imagem para independent war usa
Milícias combatendo soldados Ingleses


Como país constituído, a arma de fogo acabou virando uma espécie de braço direito para a expansão do território e para manter a ordem no país. A princípio, a justiça e forças policiais eram bem descentralizadas, podendo qualquer civil fazer justiça com as próprias mãos desde que se provasse necessária. Durante o século XIX, no período de industrialização do país e da expansão dos Estados para o oeste, homens munidos de armas mataram índios, massacraram pessoas e tomaram o território americano do Atlântico ao Pacífico com o uso desses itens.

Resultado de imagem para march for western usa XIX
As armas foram importantes para a tomada de territórios e formação dos Estados Unidos como conhecemos atualmente
Resultado de imagem para marcha para o oeste eua
Impulsionados por interesses econômicos e pela filosofia pragmática ligada ao simbolismo conhecido como “Destino Manifesto”, homens usaram armas para expandir o território dos Estados Unidos, que a principio não passava de 13 colônias na Costa leste, banhadas pelo mar atlântico.
Resultado de imagem para american guns
Os Nativos também se armaram para combater a expansão em suas terras


Em 1861, quando estourou a Guerra Civil norte-americana, a maioria dos indivíduos tinha uma arma de fogo em casa. Durante esse período, empresas como a Colt, Smith & Wesson se tornaram gigantescas. Os americanos do período chegaram a cunhar uma frase: “Deus fez os homens, mas Samuel Colt os tornou iguais”, o nome de um inventor bélico na mesma frase que o todo poderoso, demonstra o quanto as armas, já no século XIX, eram importantíssimas na cultura dos americanos.

Resultado de imagem para Samuel Colt
Samuel Colt segura o revólver Colt, primeira arma de fogo produzida e distribuída em massa para a população civil norte-americana. Ao contrário das espingardas, o revólver Colt era usado até por crianças

Resultado de imagem para Civil War usa
Estadunidenses guerreiam durante a Guerra Civil dos Estados Unidos. O conflito foi um campo fértil para o surgimento de novas armas e impulsionamento da indústria bélica.


Com o país já formado, os Estados Unidos se tornaram o maior produtor de armas do mundo durante o século XX. A relação intrínseca desse país com guerras ao redor do globo só reforça a ideia e consciência de que as armas de fogo podem resolver qualquer problema relacionado à conflito.

Resultado de imagem para john wayne
John Wayne foi por muitos anos, e ainda é, o principal garoto propaganda do uso de armas nos Estados Unidos


O cinema hollywoodiano, um dos principais instrumentos ideológicos da cultura ocidental, mostra armas de fogo como solução do problema em parte considerável de seus produtos.

Resultado de imagem para charlton heston rifle association
Ator Charlton Heston, um dos mais prestigiados da história de Hollywood foi, durante anos, presidente da Associação Nacional do Rifle

Resultado de imagem para tiros em columbine
Os frequentes ataques à Colégios levantou a discussão sobre o porte irrestrito de armas no país.
Resultado de imagem para Comando para matar
A imagem de Arnold Schwarzenegger, no filme Comando para Matar. No longa o personagem vivido pelo ator entra em um país da América Latina e mata parte significativa do exército.


A relação dos americanos com as armas de fogo também causa uma série de problemas anualmente. Massacres em escola, alta taxa do número de mortos por disparos acidentais ou propositais. A cultura das armas tem um preço e quase sempre é pago com sangue e vidas.

Resultado de imagem para milicias eua
Atuais Milícias

Referências

https://edition.cnn.com/2017/10/03/americas/us-gun-statistics/index.html

https://www.americanheritage.com/america-gun-culture

https://www.bbc.com/news/world-us-canada-41488081

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-85292009000100002

AGNEW, Jean-Cristophe; ROZENZWEIG, Roy. A Companion to Post-1945 America. Malden, Mass.: Blackwell, 2006.
APTHEKER, Herbert. Uma nova história dos Estados Unidos: a era Colonial. Rio de Janeiro: Civilização
Brasileira, 1967

JUNQUEIRA, Mary A. Estados Unidos: a consolidação da Nação. São Paulo: Contexto, 2001

História dos Estados Unidos : das origens ao século XXI / – Leandro Karnal [et al.]. – São
Paulo : Contexto, 2007

Please follow and like us: