Fotografias raras mostram como a cultura Hip Hop se estabeleceu em São Paulo.

A cultura Hip Hop teve sua ascensão nas áreas urbanas pobres de Nova York, em lugares como Harlem e Bronx.

O movimento cresceu apoiado em quatro pilares: o rap, o DJ, break dance e o graffiti.

Ao longo dos anos 80 e 90, o Hip Hop se estendeu por muitos lugares do mundo, invadiu grandes cidades como São Paulo e ajudou a escrever a história cultural da cidade, dando voz e destaque para populações mais pobres que residiam nas periferias dos centros urbanos.

No caso paulista, o movimento se consolidou a partir das festas organizadas pela Chic Show, que valorizavam a música negra, encontros de grupos de break dance, organizados por Nelson Triunfo, no parque Ibirapuera e em frente a Estação São Bento do metrô e grupos de RAP como Racionais, Thaíde e Dj Hum, RZO, entre outros.

Contada um pouco dessa história, fomos atrás dos precursores da cultura Black music no Brasil, com especial atenção ao movimento Hip Hop, na cidade de São Paulo.

Turma no metrô, 1986./ Revista Vice.
Roda do Ibirapuera, dançarino da primeira formação da Back Spin, grupo de break de São Paulo.
Créditos: Revista Vice.
Roda de Break na estação São Bento.
Thaide está ali atrás de camiseta vermelha
Grupo de dança Street Warrior’s, São Paulo, 1988
Mc Jack, um dos pioneiros do Hip Hop Brasileiro, foi idealizador do disco Hip Hop Cultura de Rua, de 1988,
um dos marcos iniciais do rap no país, que revelou grandes artistas do música negra.
Bailes da Chic Show.
O grupo Chic Show foi precursor dos bailes black em São Paulo, geralmente, realizavam grandes bailes no Clube Palmeiras, as festas impulsionaram a cultura black music no Brasil, possibilitando a difusão da cultura hip hop no país.
Mais um baile da Chic Show.
Equipe Chic Show, inicio dos anos 80.
Foto da Gueto Freak, na cidade de Osasco, em 1988. / Reprodução, arquivo UOL.
Grupo de dança break, Guetto Freak hip hop – 1986
Galera do futuro grupo de rap RZO, Sabotage aparece ao fundo.
Primeira coletânea de RAP do Brasil, o albúm chamava “Hip Hop” Cultura de Rua.
Ibirapuera, 1990, roda de break
Mano Brown, na Gringo Records, final dos anos 90.
Gringo Records é uma famosa loja musical em Sampa.
Na foto, os lendários B- Boys da estação do Metrô São Bento, em 1987.
Arquivos UOL.
Negra Li, Sabotage, Betico, eu, Helião, Sandrão e mais uns manos, em 1997.
Créditos – Pregador Lou(Apocalipse 16)
Nelson triunfo e o grupo Funk e Cia, 1986.
Nelson Triunfo é figura importantíssima para o estabelecimento da cultura de dança break no Brasil.
O MC Kranio e o DJ Giba durante show no Cavea, em São Paulo, 1988.
Os dançarinos de Hip Hop Back Spin Kings – dançavam na estação São Bento – 1986.
Os famosos grafiteiros Gêmeos, em frente a seus primeiros grafites, no final dos anos 80.
Racionais no inicio dos anos 90.
Grupo de rap mais conhecido do Brasil, em fotografia para divulgação do disco.
Lendária revista “Pode crê!
Apresentando Mano Brown, em 1993, em edição especial sobre a história do rap em São Paulo.
Sandrão, Hélião, Marrom, Negra Li, 1999. / Revista Vice – Alexandre de Maio
Um baile Black organizado pela Chic Show, em 1982, Clube Palmeiras.

Fotografias retiradas de:

Arquivos pessoais

Arquivo Uol

Revista Vice

Blogs de conservação da Cultura Hip Hop

Baú do Graffiti

Please follow and like us: