PUBLICIDADE

10 filmes para entender a Ditadura Militar no Brasil

O período da Ditadura Militar no país foi, sobretudo, um período bastante obscuro. Censuras, torturas e falta de incentivo artísticos fizeram com que o Brasil passasse por um turbilhão retrocessos que causou muitos males à nossa sociedade. Para narrar essa triste história, diretores de cinema se debruçaram em seus trabalhos fazendo leituras do tempo dos generais.

Hoje vamos indicar a vocês 10 filmes essenciais para entender como foi a Ditadura Militar. A maioria deles está no YouTube com acesso para todos.

Vamos nessa?

“Pra Frente Brasil”

Filme dirigido por Roberto Farias, em1982.

Premissa:

“Após ser confundido com um ativista político, um pacato cidadão da classe média é preso e torturado por agentes federais durante a euforia do milagre econômico brasileiro e da Copa do Mundo de 1970.”

Por que assistir: o filme mostra como o aparato repressivo da Ditadura torturava e matava pessoas. As cenas são fortes, mas, através do filme, é possível compreender um pouco melhor os critérios usados pelo Regime Militar para escolher seus inimigos. A obra fez um grande sucesso internacional e está integralmente no YouTube.

Pra Frente, Brasil (Roberto Farias, 1982) | Multiplot!

“O que é isso Companheiro?”

Filme de Bruno  Barreto, realizado em 1997, chegou a ser indicado ao Oscar de melhor filme estrangeiro.

Premissa: “O jornalista Fernando e seu amigo César abraçam a luta armada contra a ditadura militar no final da década de 60, após a publicação do AI-5. Os dois se alistam em um grupo guerrilheiro de esquerda e, em uma das ações do grupo militante, César é ferido e capturado pelos militares. Fernando então planeja o sequestro do embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Charles Burke Elbrick, para negociar a liberdade de César e de outros companheiros presos.”

Por que assistir?

O filme é baseado na obra homônima escrita pelo jornalista Fernando Gabeira. Apesar de bastante licença poética, o longa tentas levar às telas a história real do sequestro do embaixador dos Estados Unidos no Brasil. A obra tem uma grande importância, pois mostra como grupos políticos de esquerda resistiram ao sistema repressivo da Ditadura. Também é possível compreender o processo de recrutamento de jovens para a luta armada de esquerda no período.

Cineclube Henfil exibe o filme "O que é isso, companheiro?" | Prefeitura de  Maricá
O que é isso, Companheiro? | Cine Nacional | TV Brasil | Cultura

“Uma Noite em 67”

Filme de 2010, dirigido por Renato Terra e Ricardo Calil, “Uma Noite em 67” é uma nostalgia pura. Uma volta ao passado na época dos festivais de música brasileira.

Premissa: “Resgate histórico do 3º Festival de Música Popular Brasileira, em outubro de 1967. Entre os candidatos aos principais prêmios figuravam Chico Buarque de Holanda, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Mutantes, Roberto Carlos, Edu Lobo, dentre outros. Com imagens de arquivo e apresentações de músicas hoje clássicas, o filme registra o momento do tropicalismo, os rachas artísticos e políticos na época da ditadura e a consagração de nomes que se tornaram ídolos.”

Por que assistir:

A obra, realizada com estrutura de documentário, é um documento vivo da história cultural brasileiro. Ela mostra como a arte e parte dos artistas se posicionaram em relação ao Regime em vigência no país.

Além de ser um filme com uma montagem bem feita, as músicas, todas muito conhecidas, nos fazem mergulhar no passado.

Uma noite em 67 [Filme] - Verdades de um Ser

“ABC da Greve”

Dirigido por Leon Hirzman, um dos grandes diretores do período e pouco conhecido popularmente. O longa documental foi lançado em 1990.

Premissa

O filme retrata a primeira greve brasileira fora das fábricas do Brasil, cobrindo os acontecimentos na região do ABC paulista, em 1979. À frente das manifestações, estava o então jovem Luiz Inácio Lula da Silva.

Por que assistir:

O longa mostra um importante fenômeno ocorrido durante o período da Ditadura no Brasil: as greves das metalúrgicas no ABC.

O movimento, conhecido como “Novo Sindicalismo” foi importante para aumentar o desgaste do Regime Militar no poder. O filme faz cair por terra a ideia de prosperidade econômica no período, ideia pregada por algumas pessoas. Através de uma boa montagem e belos registros, Leon mostra a grandiosidade da luta dos trabalhadores no seio da repressão.

TV Brasil apresenta documentário "ABC da Greve", de Leon Hirszman, nesta  terça (11) Institucional - EBC

“Eles Não usam Black Tie”

Lançado em 1981, esse é mais um filme de Leon Hirzman.

Baseado na peça teatral de Gianfrancesco Guarnieri, o longa, que fez um enorme sucesso internacional, mostra a luta de trabalhadores em um período de arrocho salarial durante a Ditadura Militar.

Premissa:

“Otávio é um militante sindical que organiza um movimento grevista para resistir às práticas exploradoras de uma metalúrgica, onde seu filho Tião trabalha. Mas com a namorada grávida, Tião resiste à greve para não perder o emprego.”

Por que assistir:

O filme, além de reunir um grande elenco, mostra, através de uma história intimista, como era o relacionamento de trabalhadores em meio à luta por melhores salários e a cobrança por consciência de classe.

Por outro lado, vemos um trabalhador que tenta se alienar, pois tem a necessidade de trabalhar e não se indispor com o patrão.

Com as greves dos metalúrgicos do ABC como plano de fundo muito bem construído pelo diretor, “Eles não Usam Black Tie” é um filmaço.

“Terra em Transe”

Filme de Glauber Rocha, lançado em 1967.

Premissa: “Na fictícia República de Eldorado, Paulo Martins é um jornalista idealista e poeta ligado ao político conservador em ascensão e tecnocrata Porfírio Diaz e à amante dele, a meretriz Silvia, com quem também mantêm um caso formando um triângulo amoroso. Quando Diaz se elege senador, Paulo se afasta e vai para a província de Alecrim, onde conhece a ativista Sara. Juntos, eles resolvem apoiar o vereador populista Felipe Vieira para governador, na tentativa de lançarem um novo líder político, supostamente progressista, que guie a mudança da situação de miséria e injustiça que assola o país. Ao ganhar a eleição, Vieira se mostra fraco e controlado pelas forças econômicas locais que o financiaram e não faz nada para mudar a situação social, o que leva Paulo, desiludido, a abandonar Sara e retornar à capital e voltar a se encontrar com Sílvia. Aproxima-se de Júlio Fuentes, o maior empresário do país, e conta-lhe que o presidente Fernandez tem o apoio econômico de uma poderosa multinacional que quer assumir o controle do capital nacional. Quando Diaz vai à disputa da Presidência com o apoio de Fernandez, Fuentes cede um canal de televisão a Paulo, o qual o usa a fim de atacar o candidato. Vieira e Paulo unem-se novamente na campanha da presidência até que Fuentes trai a ambos e faz um acordo com Diaz. Paulo quer partir então à luta armada, porém Vieira desiste.”

Por que assistir: O filme foi realizado por Glauber Rocha, um dos maiores nomes da história do cinema brasileiro. Com um roteiro dinâmico, Rocha procura trabalhar os estereótipos políticos e o populismo tão comuns no Brasil. Como uma metáfora à situação política anterior a 1964, o longa é uma crítica contundente ao uso do povo para conseguir votos, enquanto a força da elite manda e desmanda nos governos eleitos.

Crítica | Terra em Transe (Glauber Rocha, 1967) - Plano Crítico

“Cabra Marcado para Morrer”

Filme de Eduardo Coutinho, 1984

Premissa:

“O filme é uma narrativa semidocumental da vida de João Pedro Teixeira, um líder camponês da Paraíba, assassinado em 1962.

Em razão do golpe militar, as filmagens foram interrompidas em 1964. O engenho da Galileia foi cercado por forças policiais. Parte da equipe foi presa sob a alegação de “comunismo”, e o restante dispersou-se.

O trabalho foi retomado 17 anos depois, recolhendo-se depoimentos dos camponeses que trabalharam nas primeiras filmagens e também da viúva de João Pedro, Elizabeth Altino Teixeira que, desde dezembro de 1964, vivera na clandestinidade, separada dos filhos. Reconstruiu-se assim, a história de João Pedro e das Ligas camponesas de Galiléia e de Sapé.”

Por que assistir

“Cabra” não é apenas um filme sobre a Ditadura Militar, mas é um filme sobre os estragos que a Ditadura fez na arte e na vida de camponeses no Brasil. Eduardo Coutinho, um dos maiores documentaristas do mundo, retoma um trabalho interrompido por questões políticas e vai atrás das pessoas que participaram do filme que foi interrompido pelos generais, em 1964. Através das lentes do diretor e de sua memória sobre os fatos, nós podemos observar como esse período foi nebuloso e devastador para as famílias pobres do sertão e os trabalhadores camponeses, que antes do golpe passaram a se organizar em ligas camponesas para lutar por seus direitos. Através de belas entrevistas, captura de olhares, lembranças e imagens dos lugares por onde as gravações dos filmes se passaram, “Cabra Marcado para morrer” é um clássico do gênero documentário e uma obra artística de fôlego, conhecida mundialmente.

Cabra Marcado para Morrer – Wikipédia, a enciclopédia livre
Resenha do filme Cabra Marcado Para Morrer | by Mario Gomes | Medium

“Jango”

Dirigido por Silvio Tendler, grande cineasta do gênero documentário político, o filme foi lançado em 1984.

Premissa: A trajetória política de João Goulart, o 24º presidente brasileiro, que foi deposto por um golpe militar nas primeiras horas de 1º de abril de 1964.

Por que assistir: O filme é uma viagem documental aos anos que precederam o Golpe Militar de 1964. A partir dessa obra, é possível entender melhor a crise política e o golpismo que tomou conta do Brasil desde o período de Getúlio Vargas. O cineasta passa por diversas narrativas que colaboraram para o fim da Democracia no país e início de 21 anos de Ditadura Militar. O longa apresenta imagens raras, vídeos e fotografias capturadas no período que costuram uma excelente construção histórica.

Jango | Canal Curta!

“Batismo de Sangue”

Dirigido por Helvécio Ratton e lançado em 2007, “Batismo de Sangue” é uma excelente obra.

Premissa: “Baseado no livro de Frei Betto, o filme conta a história de cinco frades dominicanos que se engajaram na guerrilha contra a ditadura militar nos anos 60 no Brasil. Por apoiarem a luta armada, são considerados comunistas, são presos e torturados.”

Por que assistir:

O filme, baseado na obra de Frei Beto, tem um valor histórico muito importante. O longa mostra a luta de um grupo de membros da igreja católica e seu envolvimento com a luta armada de esquerda, no período mais obscuro da Ditadura Militar: os Anos de Chumbo.

Como o filme é baseado em uma história real, acompanhamos o drama de Frei Tito, amigo pessoal de Frei Beto, do autor da obra. Ao assistir a “Batismo de Sangue” temos contato com o funcionamento da guerrilha urbana, e conhecemos personagens como Mariguella e Fleury e a relação conflituosa entre a polícia e grupos armados de esquerda.

Batismo de Sangue | Cine Nacional | TV Brasil | Cultura
12_RP

“O Ano em que meus pais saíram de férias”

Filme de 2006 dirigido por Cao Hamburguer

Premissa: em 1970 (4 anos após o golpe de estado e a instalação da ditadura), Mauro é um garoto de doze anos, que adora futebol e jogo de botão. Um dia, sua vida muda completamente, já que seus pais saem de férias de forma inesperada e sem motivo aparente para ele. Na verdade, os pais de Mauro foram obrigados a fugirem por serem militantes da esquerda, os quais eram perseguidos pela ditadura militar e, por essa razão, decidiram deixá-lo com o avô paterno. Porém, o avô falece no mesmo dia em que Mauro chega em São Paulo, o que faz com que o garoto tenha que ficar com Shlomo, um velho judeu solitário que é seu vizinho. Enquanto aguarda um telefonema dos pais, Mauro precisa lidar com sua nova realidade, que tem momentos de tristeza pela situação em que vive e também de alegria, ao acompanhar o desempenho da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970.

Por que assistir: O filme mostra a relação intrínseca entre a luta pela democracia, a oposição à Ditadura e o futebol. A Copa do Mundo de 1970 foi usada como propaganda do Regime Militar Brasileiro. Na época, o presidente Médici, considerado o maior carrasco do período, investiu na construção de um apelo ufanista sobre o desempenho da Seleção Brasileira na Copa. Os jogadores eram mostrados como patriotas em posters junto ao General. O longa também mostra a visão de um garoto sobre a luta contra a Ditadura protagonizada pelos pais.

Please follow and like us:


PUBLICIDADE