A corajosa história de João Cândido, o Almirante Negro

João Cândido Felisberto nasceu no Rio Grande do Sul, em 1880, filho de escravizados, acompanhava o pai, que era cativo tocador de gado, nas estâncias gaúchas. Com apenas 13 anos, combateu no conflito denominado Revolução Federalista, uma guerra civil que havia estourado no Sul.

Cândido sempre teve aptidão para liderar. Com 15 anos, ingressou na Marinha Brasileira, a instituição, na época, alistava negros, pobres e analfabetos de forma compulsória, não foi o caso de João, que ingressou de forma voluntária. Cinco anos depois da entrada na Marinha, foi promovido a marinheiro de primeira classe e, com 21 anos, em 1903, foi promovido a cabo-de-esquadra, tendo sido depois rebaixado por ter introduzido no navio um jogo de baralho.


João não se conformava com o tratamento desumano dado pela Marinha aos seus marinheiros, castigos físicos, proibição do lazer, obrigação de trabalhar por muitas horas faziam parte da rotina da instituição. Um dos instrumentos usados para açoitar marinheiros era a famosa “Chibata”. Geralmente, oficiais responsáveis pelo açoite dos marinheiros eram brancos e de famílias poderosas e os açoitados eram negros e pobres, fato que configurava um forte conflito de classes sociais dentro da Marinha.

João Cândido – Wikipédia, a enciclopédia livre

Em novembro de 1910, um marinheiro negro, de nome Marcelino, se envolveu em uma briga dentro do navio e foi castigado com 250 chibatadas. A ação revoltou os marinheiros, que encontraram em João Cândido o líder certo para guiar o motim. Os marinheiros mataram alguns oficiais e tomaram o navio Minas Gerais, grande encouraçado de guerra. João redigiu uma carta reivindicando o fim dos castigos físicos, melhorias na alimentação e anistia para todos que participaram da revolta. Caso não fossem cumpridas as reivindicações, os revoltosos ameaçavam bombardear a cidade do Rio de Janeiro, então capital do Brasil. O presidente em exercício, Hermes da Fonseca cedeu às condições dos revoltosos, terminando com o motim. Após a entrega das armas, o presidente não cumpriu a promessa e mandou prender e expulsar marinheiros que participaram do evento. Dessa forma, João organizou uma nova revolta, conhecida como revolta da Ilha das Cobras, fortemente reprimida pelo governo. O líder negro foi internado em um hospital para loucos e depois foi absolvido e solto, pois houve pressão social pró libertação.

Blog de Geografia: Exercícios sobre a Revolta da Chibata - com gabarito
João Candido durante a Revolta da Chibata


O resultado da revolta da Chibata foi a melhora significativa no tratamento dos marinheiros e soldados das forças armadas brasileiras. João tentou ingressar na vida política e participou de outros momentos importantes na história do Brasil. Sua imagem foi usada nos anos posteriores como símbolo de resistência política à opressão. Foi perseguido durante o Estado Novo Varguista, renegado pela Marinha e morreu como vendedor de peixe, na cidade de São João do Miriti, Rio de Janeiro.


O Almirante Negro ganhou uma estátua na Praça XV, no centro do Rio, e seu nome batizou um petroleiro. A anistia póstuma aos revoltosos foi assinada em 2008 pelo presidente Luis Inácio Lula da Silva. A família de João Cândido luta até hoje por uma indenização do Estado.

Homenageado por João Bosco e Elis Regina na composição “Mestre sala dos mares”, João Cândido foi importantíssimo para a história do país e se tornou símbolo de lutas populares para negros e pobres de todo o Brasil.

“Mas salve
Salve o navegante negro
Que tem por monumento as pedras pisadas do cais”

Conheça com mais detalhes essa história, clicando nesse link: https://amzn.to/3lM1i0q

Acesse o link abaixo e se cadastre no Kindle, e tenha milhares de e-book na palma da sua mão
Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/32TUgiG

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/32TtM0z

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/32QsSBV

Please follow and like us: