Licença para Matar: o que foi o AI-5 durante a Ditadura Militar

Os Atos Institucionais foram a forma encontrada pela Ditadura Militar, que se instalou no país, de reprimir direitos e suprimir a antiga Constituição.

Ao todo, foram 17 AIs decretados pelos então militares no poder, durante as duas décadas do Regime.

Entre todos os Atos, o mais repressivo foi o AI-5, decretado por Costa e Silva, o documento permitiu a cassação de mandatos de prefeitos eleitos e políticos que eram contra o Regime, além de abrir precedentes para a prisão de qualquer pessoa da sociedade civil sem o devido processo legal.

O AI-5 foi um ato que concedeu tantos poderes, que foi usado pelo presidente Emílio Garrastazu Médici como forma de reprimir os inimigos do sistema através de torturas e mortes. Basicamente, o AI-5 impulsionou o aparelho repressivo do Estado brasileiro, permitindo a suspensão de direitos políticos e civis conforme o julgo dos militares.

As consequências do decreto foram: a dissolução do congresso à bel prazer dos militares, instituição de censura prévia a obras artísticas como músicas, filmes e programas de TV, prisões arbitrárias, torturas e a suspensão do habeas corpus em caso de crimes políticos.

O período de vigência do Ato ficou conhecido como Anos de Chumbo, por causa da violência e terrível autoritarismo que ele representou.

O AI-5 causou um impacto autoritário terrível na cabeça do cidadão comum. Principalmente no guarda de esquinas. Empoderou da síndrome de pequeno poder homens pequenos com a cabeça repressora, com índole autoritária e instinto assassino.

Quando o presidente Costa e Silva, em 1968, baixou o Ato Institucional Número 5,  Pedro Aleixo, vice decorativo, o procurou para expressar a sua preocupação com a lei.

O diálogo entrou para a história como uma síntese sobre como o autoritarismo no poder autoriza tacitamente barbaridades em todos os extratos da sociedade.

Pedro Aleixo: Sr. presidente, estou muito preocupado com o AI5 e seus impactos.

Costa e Silva: Que isso, Aleixo, está com medo dos Generais?

Pedro Aleixo: Presidente, o problema de uma lei assim não é o senhor, nem os que com o senhor governam o país; o problema é o guarda da esquina”. 

Referências:

GASPARI, E. 2002. “A ditadura escancarada: as ilusões armadas”. São Paulo: Cia. das Letras.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. “Sobre as origens e motivações do Ato Institucional 5”. Rev. Bras. Hist. [online]. 2018, vol.38, n.79, pp.195-216. ISSN 1806-9347.  http://dx.doi.org/10.1590/1806-93472018v38n79-10.

Please follow and like us: