Rosto de Bicicleta: a doença, inventada por homens, para impedir mulheres de andar de bike no século XIX

O final do século XIX se destacou pelo desenvolvimento de muitas tecnologias. Foi nesse período também que houve o boom das bicicletas. O meio de transporte virou febre na Europa, já que era barato e muitas pessoas poderiam ter acesso a ele, bem diferente dos carros que, no período, eram bem raros e caríssimos.
A bicicleta começou a ser usada por homens, mas não demorou muito para que mulheres passassem a requisitar o direito de pedalar, seja para ir à venda buscar algo para o almoço, para carregar os filhos pequenos ou simplesmente por esporte.

Foi nessa onda de aumento a participação das mulheres como ciclistas, que um conjunto de médicos europeus patologizou a fadiga decorrente do esforço para pedalar. A doença foi chamada de “Rosto de Bicicleta”. Segundo doutores da época, todos homens, a mulher que desenvolvia essa enfermidade ficava com os olhos esbugalhados, desenvolvia fadiga, a qual impedia atividades domésticas e poderia até ficar estéril, dependendo do caso e quantidade de horas em cima da bike.

Caricatura mostrando como ficava o rosto da mulher que desenvolvia a “doença”


O fato é que a bicicleta foi um instrumento importante para a emancipação feminina, já que garantiu a possibilidade de andar longas distâncias de forma mais rápida e de exercer atividades corriqueiras com maior velocidade e dinamismo, facilitando o ganho de dinheiro e a pariticipação em debates e universidades.

A bicicleta usada como símbolo do feminismo

Referências

https://www.vox.com/platform/amp/2014/7/8/5880931/the-19th-century-health-scare-that-told-women-to-worry-about-bicycle

https://jamanetwork.com/journals/jama/article-abstract/389890

http://www.sheilahanlon.com/?p=1990

https://www.theguardian.com/environment/bike-blog/2015/jun/09/feminism-escape-widneing-gene-pools-secret-history-of-19th-century-cyclists

Please follow and like us: