A bela história do casal que acabou com as leis segregacionistas do matrimônio nos EUA

A bela história do casamento inter-racial que colocou fim às leis segregacionistas do matrimônio nos EUA

Essa é a história de Richard e Mildred, duas pessoas que se apaixonaram, na pequena cidade de Center Point, na Virgínia, Estados Unidos. Na época, início dos anos 50, o estado continha em sua constituição uma série de leis racistas que segregavam brancos e negros. As duas raças não tinham, por exemplo, o direito de casar ou frequentar as mesmas escolas.
E foi no meio desse contexto que Richard Loving se apaixona por Mildred Jeter, ele branco, ela negra. Desde o início do relacionamento, os dois enfrentaram preconceito de todos os lados. Inclusive da família de Richard, que considerava que o filho deveria optar por uma mulher branca, para evitar problemas.


Com o passar do tempo, os dois resolveram que iriam juntar os panos e casar. Como na Virgínia não era possível realizar o casório, eles viajaram até Washington, que já havia liberado o casamento inter-racial e voltaram casados com a certidão na mão. A vizinhança do local que escolheram para mora denunciou a vida matrimonial dos dois. A promotoria da cidade, então, entrou com um pedido de não aceitação do casamento, o qual foi concedido pelo juiz.
Consternados, os dois contrataram um advogado, mas a coisa se complicou mais ainda, pois Richard e Mildred foram enquadrados como infratores da lei de bons costumes e foram condenados a 1 ano de prisão, porém trocaram a pena, concordando em saírem do Estado por pelo menos 25 anos.


Daí em diante, a luta do casal ganhou repercussão nacional. Entidades contra a segregação como NAACP (Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor) e a União das Liberdades Cívicas, entraram na jogada e o caso foi parar na Suprema Corte dos Estados Unidos, através do Procurador Geral Robert Kennedy.
O caso ficou conhecido como Estado x Loving, o sobrenome do casal e também uma lembrança sobre amor.
O Supremo Tribunal, então, atestou a legalidade do casamento e obrigou o estado da Virgínia a reconhecer o matrimônio.
A partir desse ponto, cerca de 16 estados, que tinham leis que impeditivas do casamento entre cores diferentes, revogaram seus estatutos e outros casamentos puderam ocorrer.
Mildred e Richard ficaram juntos até o fim da vida, tiveram três filhos e viveram felizes, como dava, em um dos países mais racistas do mundo.

A família feliz sentada em frente de casa
Os três filhos do casal
Túmulos dos casal, lado a lado

Referências

https://www.huffpost.com/entry/loving-guy-villet-photography_n_593ec874e4b0c5a35ca1d332

https://www.britannica.com/event/Loving-v-Virginia

https://www.theguardian.com/books/gallery/2017/mar/29/the-lovings-in-pictures

https://www.vox.com/culture/2017/6/17/15809790/loving-story-virginia-hbo

Please follow and like us: