Nísia Floresta e a luta pelos direitos das mulheres

Considerada uma precursora dos ideais feministas no Brasil, ela foi educadora, escritora e poeta e atuou em defesa das minorias

            Nísia Floresta Brasileira Augusta, pseudônimo de Dionísia Gonçalves Pinto, nasceu em 1810, em Papari, Rio Grande do Norte. Considerada a precursora do feminismo no Brasil, ela foi educadora, escritora e poeta e atuou na luta pelos direitos das mulheres, índios e escravizados.

            Como era comum naquela época, Nísia casou-se aos 13 anos de idade, em um casamento arranjado, mas acabou deixando o marido e voltando a viver com os seus pais. Em 1831, passou a escrever para o jornal “Espelho da Brasileira”, de Pernambuco e, assim, deu início aos seus textos sobre a condição feminina no Brasil.

            No ano de 1833, fez uma tradução livre da obra “Direitos das mulheres e injustiças dos homens”, de Mary Wollstonevraft-Godwin. Para Nísia, a subjugação feminina era fruto da ausência de uma educação formal para as meninas, desse modo, em 1838, ela fundou o “Colégio Augusto” no Rio de Janeiro, uma escola que ensinava línguas, ciências naturais e sociais, matemática e artes para as suas alunas, empregando métodos pedagógicos totalmente inovadores e mostrando que as mulheres poderiam aprender muito mais que cuidados com o lar ou o comportamento de uma boa mãe e esposa.

            Claro que essas inovações de Nísia Floresta não foram aceitas passivamente por todos, ela teve não só sua prática profissional questionada, como sua vida pessoal devassada, sendo acusada de promíscua e adúltera, já que passou a viver com Manoel Augusto, com quem teve dois filhos, mas já tinha sido casada com outro homem quando ainda era apenas uma menina.

            Mesmo com todos os ataques pessoais que sofrera, Nísia Floresta manteve-se firme e seguiu com seus projetos na escola, dando uma importante contribuição para a educação feminina no país. Em 1849, ela deixou o Colégio Augusto, onde trabalhava como professora e diretora, mudou-se para a Europa em busca de tratamento médico para a sua filha, que tinha sofrido uma queda de um cavalo.

            Nísia viveu por quase duas décadas na Europa e lá continuou publicando livros e manifestando seu apoio à luta da população mais oprimida do país. Em 1849, publicou o poema épico “A lágrima de um caeté”, no qual denunciava a opressão sofrida pelos povos indígenas. Na França, conheceu o filósofo Auguste Comte, com quem manteve uma relação de amizade e tomou contato com as ideias positivistas, mas manteve certas restrições em relação aos ideais defendidos por essa corrente de pensamento.

             Faleceu na França, em 1885, em decorrência de uma pneumonia. Essa grande mulher deixou 14 obras publicadas e uma história de luta em defesa dos direitos da mulher, além de uma importante participação em movimentos abolicionistas e republicanos e em prol da liberdade religiosa.

            No ano de 1948, o município de Guarapari, mudou seu nome para Nísia Floresta. Algum tempo depois, os restos mortais de Nísia foram trazidos para a cidade e, em 2012, foi inaugurado o Museu Nísia Floresta para preservar a memória de uma das filhas mais ilustres daquele lugar.

            Embora nem todos conheçam a luta de Nísia Floresta por uma educação igualitária entre homens e mulheres, ela teve um papel fundamental na construção de uma educação que permitisse a emancipação feminina e o reconhecimento de que as mulheres poderiam ter acesso ao mesmo tipo de conhecimento que era destinado aos homens.

Referências:

KARAWEJCZYK, Mônica. “Nísia Floresta e a questão da emancipação feminina pelo viés educacional”. MÉTIS: história & cultura – v. 9, n. 18, p. 113-126, jul. /dez. 2010. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/revistas/index.php/metis/article/view/993/1055. Acesso em: 01/02/2020.

ROSA, Graziela Rinaldi. “Equidade de gênero em Nísia Floresta”. Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 26, n. 03, set/dez 2013, p. 509 -529. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/sociaisehumanas/article/view/2840/pdf. Acesso em: 01/02/2020.

ALMEIDA, Cristhiane Tatiane de Oliveira. “A luta por direitos das mulheres no Brasil: O caso de Nísia Floresta”. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Universidade de Santo Amaro, 2017.

Please follow and like us: